Alimentos Gravídicos (síntese)

Lei Nacional nº 11.804, de 05.11.2008

Art. 2°. Os alimentos de que trata esta Lei compreenderão os valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela decorrentes, da concepção ao parto, inclusive as referentes a alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto, medicamentos e demais prescrições preventivas e terapêuticas indispensáveis, a juízo do médico, além de outras que o juiz considere pertinentes.

Parágrafo único.  Os alimentos de que trata este artigo referem-se à parte das despesas que deverá ser custeada pelo futuro pai, considerando-se a contribuição que também deverá ser dada pela mulher grávida, na proporção dos recursos de ambos.

NASCITURO * TEM DIREITO AOS ALIMENTOS 

Havendo indícios (registro fotográfico; declarações testemunhais; manifestações amorosas, etc.) o suficiente para suspeitar-se a respeito da PATERNIDADE, pode (e deve) a MULHER GRÁVIDA propor AÇÃO JUDICIAL pleiteando do suposto pai os recursos financeiros necessários (alimentos; gastos médicos; vestuário; despesas com o próprio parto, etc.) para a manutenção da gravidez ATÉ O NASCIMENTO (ALIMENTOS GRAVÍDICOS).

Tal medida visa proporcionar certa SEGURANÇA material ao nascituro e sua genitora durante o difícil momento do ABANDONO pelo parceiro (namorado, amante, etc.).

DIREITO À UMA GESTAÇÃO SAUDÁVEL NO TRABALHO

Quando a gestante necessita de repouso absoluto, por exemplo, e sua condição impede que ela trabalhe, a lei assegura que devem ser oferecidas todas condições financeiras (etc. ) para uma gestação saudável e segura, o que pode envolver gastos; recolocação de função e atribuições; horário especial de trabalho, etc..

COMO RECLAMAR OS ALIMENTOS GRAVÍDICOS ?

Procure um Advogado de sua confiança e que seja experiente em Direito de Família para propositura da competente ação judicial.

É preciso a comprovação, ao menos, indiciária, da paternidade.

Na análise da situação, devidamente comprovada por documentos (etc.), o Juiz de Direito fixará ALIMENTOS PROVISÓRIOS imediatamente, para promover segurança ao nascituro e à futura parturiente

Apesar da fixação cautelar dos alimentos, tal valor poderá ser revisto a qualquer momento, a depender da situação do caso concreto, tanto em benefício do nascituro e genitora, quanto em relação ao próprio suposto pai.

VALOR DA PENSÃO ALIMENTÍCIA

A principal regra na fixação do valor de uma pensão alimentícia está prevista no Art. 1.694, § 1º, do Código Civil brasileiro, que dispõe sobre o binômio NECESSIDADE x POSSIBILIDADE:

Art. 1.694. Podem os parentes, os cônjuges ou companheiros pedir uns aos outros os alimentos de que necessitem para viver de modo compatível com a sua condição social, inclusive para atender às necessidades de sua educação.

1°. Os alimentos devem ser fixados na proporção das necessidades do reclamante e dos recursos da pessoa obrigada.

OBS: Se uma mulher agir de má-fé, simulando a paternidade inexistente, poderá ser acionada cível e criminalmente.

* Nascituro: Bebê em gestação.

https://aldoadv.wordpress.com

Guia das Cidades

E-Marketing Digital ao acesso de todos os brasileiros

Social Card Oficial

Rede de Descontos, Serviços e Parcerias Empresariais

nota 10,0

Plataforma Jurídica de Estudos para ESTUDANTES de DIREITO e CONCURSEIROS de CARREIRAS JURÍDICAS

Willyana Brito Fotografias

Registro momentos de felicidade de bebês

Aldo Corrêa de Lima

Direito Público | Privado para todos os níveis !

Seminário de Teologia

Persiste em Ler, Exortar e Ensinar ... (1 Tm. 4.15)

Maluco por Jesus

Deus atraiu você até este site para falar-lhe algo ! Descubra o que é !!!

%d blogueiros gostam disto: